Atualização científica

Tempo de tratamento e mortalidade para sepse

Quarta-feira, 31 de Maio de 2017

Tempo de tratamento e mortalidade durante os cuidados de emergência obrigatórios para sepse

Seymour CW, Gesten F, Prescott HC, Friedrich ME, et al.

Fonte: N Engl J Med 2017, online first

Base Teórica: Em 2013, Nova Iorque começou a exigir que os hospitais seguissem protocolos para a identificação e tratamento precoces da sepse. Contudo, há controvérsia se o tratamento mais rápido da sepse melhora os desfechos nos pacientes.

Métodos: Nós estudamos dados de pacientes com sepse e choque séptico que foram relatados para o Departamento de Saúde do Estado de Nova Iorque de 01 de abril de 2014 a 30 de junho de 2016. Os pacientes tinham protocolo de sepse iniciado dentro das 6 horas após a chegada à emergência e realizavam um “pacote de cuidados de 3 horas” para pacientes com sepse (ex.: hemoculturas, antibióticos de amplo espectro e medida do lactato) completados em 12 horas. Diversos modelos foram utilizados para avaliar as associações entre o tempo para completar o pacote de cuidados de 3 horas e a mortalidade ajustada. Nós também examinamos o tempo de administração de antibióticos e de término da administração do bolus inicial de fluido intravenoso.

Resultados: Entre 49.331 pacientes em 149 hospitais, 40.696 (82,5%) tiveram o pacote de cuidados de 3 horas completo dentro de 3 horas. O tempo mediano para completar o pacote de cuidados de 3 horas foi 1,3 horas (variação interquartil, 0,65 a 2,35), o tempo mediano para administração de antibióticos foi de 0,95 horas (variação interquartil, 0,35 a 1,95), e o tempo mediano para completar o bolus de fluidos foi de 2,56 horas (variação interquartil, 133 a 4,20). Entre os pacientes que tiveram o pacote de 3 horas completo dentro de 12 horas, um tempo mais prolongado para completar o pacote foi associado com maior risco ajustado de mortalidade intra-hospitalar (odds ratio, 1,04 por hora; intervalo de confiança [IC] de 95%, 1,02 a 1,05; P<0,001), assim como um tempo mais prolongado para a administração de antibióticos (odds ratio, 1,04 por hora; IC 95%, 1,03 a 1,06; P< 0,001), mas não um tempo mais prolongado para completar o bolus de fluidos (odds ratio, 1,01 por hora, IC 95%, 0,99 a 1,02; P=0,21).

Conclusões: O término do pacote de cuidados de 3 horas mais rapidamente e a administração mais rápida de antibióticos, mas não o término da administração do bolus inicial de fluidos intravenosos, foram associados a menor risco ajustado de mortalidade intra-hospitalar.